Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A poluição do ar pode causar dano neurológico

Os pesquisadores que olham os brainstems das crianças e de adultos novos expor por toda a vida à poluição do ar em Cidade do México descobriram a evidência de perturbação do dano.

Os estudos precedentes ligaram a exposição ínfima fina da poluição do ar com a doença de Alzheimer, e os pesquisadores igualmente relataram a evidência de nanoparticles poluição-derivados ar no córtice frontal do cérebro.

Mas após ter examinado os brainstems 186 de Cidade do México novos os residentes envelheceram entre 11 meses e 27 anos de idade, pesquisadores, incluindo o professor Barbara Maher da universidade de Lancaster, encontraram marcadores não somente da doença de Alzheimer, mas igualmente de Parkinson e da doença do neurônio de motor (MND) demasiado.

Estes marcadores da doença foram acoplados com a presença de nanoparticles minúsculos, distintivos dentro do brainstem - sua aparência e de composição indicando que eram prováveis vir da poluição do veículo.

Isto conduziu pesquisadores concluir essa poluição do ar desta natureza - se inalado ou engulido - põe povos em risco do dano neurológico potencial. O brainstem é a parte traseiro do cérebro que regula o sistema nervoso central, o coração dos controles e as taxas de respiração, e como nós percebemos a posição e o movimento de nosso corpo, incluindo, por exemplo, nosso sentido de balanço.

Não somente os brainstems dos jovens no estudo mostraram “as indicações neuropathological” de Alzheimer, Parkinson e MND, igualmente tiveram concentrações altas de ferro, de alumínio e nanoparticles titânio-ricos no brainstem - especificamente no negro do substantia, e em cerebelo.”

Barbara Maher, professor, universidade de Lancaster

“Ferro-e os nanoparticles alumínio-ricos encontrados no brainstem são impressionante similares àqueles que ocorrem como combustão e partículas fricção-derivadas na poluição do ar (de motores e de sistemas de travagem).

“As partículas titânio-ricas no cérebro eram diferentes - distintiva agulha-como na forma; as partículas similares foram observadas nas pilhas de nervo da parede do intestino, sugerindo o alcance destas partículas o cérebro após ser engulidas e mover-se do intestino nas pilhas de nervo que conectam o brainstem com o sistema digestivo.”

“As indicações neuropathological” encontraram mesmo no infante o mais novo (11 meses velho) incluíram crescimentos da pilha de nervo, e as chapas e os emaranhados formaram por proteínas misfolded no cérebro. Dano ao negro do substantia é ligado directamente com a revelação da doença de Parkinson em uma vida mais atrasada.

Misfolding da proteína ligado previamente com o MND era igualmente evidente, sugerindo mecanismos e caminhos causais comuns da formação, da agregação e da propagação destas proteínas anormais.

A uma coisa comum a todos os jovens examinados no estudo era sua exposição aos níveis elevados de poluição do ar ínfima. O professor Maher diz que as associações entre a presença de dano às pilhas e seus componentes individuais - especialmente as mitocôndria (chave para a geração de energia, e a sinalização entre pilhas) - e estes nanoparticles metal-ricos são uma “prova clara”.

Tais partículas metal-ricas podem causar a inflamação e igualmente actuar como catalizadores para a formação adicional de espécies reactivas do oxigênio, que são sabidas para causar o esforço oxidativo e a morte eventual dos neurônios. Crìtica, os brainstems da idade e o género combinaram os controles que viveram em áreas da baixo-poluição não mostraram a patologia neurodegenerative considerada nos residentes novos de Cidade do México.

Estes resultados novos mostram aquele poluição-derivado, nanoparticles metal-ricos podem alcançar o brainstem quer através da inalação ou engulir e aquela são associados com dano aos componentes-chave de pilhas de nervo no brainstem, incluindo o negro do substantia.

Mesmo nestes residentes novos de Cidade do México, o tipo de dano neurológico associado com as doenças do neurônio de Alzheimer, de Parkinson e de motor é já evidente.

Estes dados indicam o potencial para uma pandemia da doença neurológica em cidades da alto-poluição em todo o mundo enquanto os povos experimentam um tempo mais longo, e os sintomas completos de mais cedo, dano neurológico crônico tornam-se.

O professor Barbara Maher disse: “É crítico compreender as relações entre os nanoparticles que você está respirando dentro ou a absorção e os impactos aquelas partículas metal-ricas estão tendo então nas áreas diferentes de seu cérebro.

“Os povos diferentes mandarão níveis diferentes de vulnerabilidade a tal exposição ínfima mas a nossos resultados novos indicar que que poluentes de ar você é expor, o que você é de inalação e de absorção, são realmente significativos durante o processo de desenvolvimento de dano neurológico.

“Com isto em mente, o controle de fontes do nanoparticulate de poluição do ar torna-se crítico e urgente.”

Source:
Journal reference:

Calderón-Garcidueñas, L., et al. (2020) Quadruple abnormal protein aggregates in brainstem pathology and exogenous metal-rich magnetic nanoparticles (and engineered Ti-rich nanorods). The substantia nigrae is a very early target in young urbanites and the gastrointestinal tract a key brainstem portal. Environmental Research. doi.org/10.1016/j.envres.2020.110139.