Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

O estudo abre a porta às possibilidades novas que visam telomeres para ajudar a tratar o cancro

O grupo de Telomeres e de Telomerase conduzido por Maria A. Blasco no centro de investigação do cancro nacional espanhol (CNIO) continua a fazer o progresso em desembaraçar o papel que os telomeres - as extremidades dos cromossomas que são responsáveis para o envelhecimento celular porque encurtam o jogo no cancro.

A equipe de CNIO estava entre o primeiro para propr que os shelterins, as proteínas que envolvem em torno dos telomeres e actuam como um protector protector, pudessem ser alvos terapêuticos para o tratamento contra o cancro. Subseqüentemente, encontraram aquele eliminar uma destes shelterins, TRF1, blocos a iniciação e progressão do câncer pulmonar e do glioblastoma em modelos do rato e impedem que as células estaminais do glioblastoma formem tumores secundários.

Agora, em um estudo publicou na genética de PLOS, vão uma etapa mais adicional e descrevem pela primeira vez como os telomeres podem ser regulados pelos sinais fora da pilha que induzem a proliferação de pilha e foram implicados no cancro. Encontrar abre a porta às possibilidades terapêuticas novas que visam telomeres para ajudar a tratar o cancro.

O grupo de CNIO era igualmente o primeiro para encontrar uma relação entre TRF1 e o caminho da sinalização de PI3K/AKT. Este caminho metabólico, que igualmente abrange o mTOR, é um dos caminhos mais frequentemente afetados em processos tumorigenic numerosos. Contudo, não se soube se impedir o regulamento TRF1 por este caminho pode ter um impacto no comprimento do telomere e sua capacidade formar tumores. AKT actua como um transmissor dos sinais extracelulares provocados perto, entre outros, nutrientes, factores de crescimento e reguladores imunes, ao interior das pilhas. Pesquisadores Raúl Sánchez e Paula Martínez de CNIO, dirigido por Maria um Blasco, expor para determinar a participação dos telomeres neste caminho da sinalização.

Para fazer esta, os pesquisadores alteraram a proteína TRF1 nas pilhas para fazê-la sem resposta a AKT, usando a ferramenta deedição CRISPR/Cas9. Esta maneira, TRF1 e os telomeres tornaram-se invisíveis a todos os sinais extracelulares transmitidos por AKT. Telomeres nestas pilhas encurtou e acumulou mais dano; mais importante ainda, as pilhas podiam já não formar os tumores, indicando que os telomeres são alvos importantes de AKT e de seu papel na revelação do cancro.

Mais importante ainda, nós encontramos que quando TRF1 não pode ser phosphorylated por AKT, o último tem um potencial mais baixo gerar tumores.”

Maria A. Blasco, centro de investigação do cancro nacional espanhol (CNIO)

O papel mostra que os telomeres estão entre os alvos intracelulares os mais importantes do caminho de AKT para formar tumores, desde que, embora nem a função de AKT nem de alguns dos milhares de proteínas que são reguladas por ela seja alterada, simplesmente obstruir a capacidade de AKT para alterar telomeres era suficiente para retardar o crescimento do tumor.

O passo seguinte será gerar ratos genetically alterados com telomeres que são invisíveis a AKT. Os autores antecipam que estes ratos serão mais resistentes ao cancro.

Source:
Journal reference:

Sánchez-Vázquez, R., et al. (2021) AKT-dependent signaling of extracellular cues through telomeres impact on tumorigenesis. PLOS Genetics. doi.org/10.1371/journal.pgen.1009410.