Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Podia uma proteína atum-derivada inibir SARS-CoV-2?

A infecção com coronavirus 2 da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS-CoV-2) pode causar a aflição e mesmo a morte respiratórias em casos severos. A doença manifestada é chamada COVID-19 (doença 2019 do coronavirus). Até agora, nenhuma droga antivirosa específica está disponível para tratar as infecções SARS-CoV-2 altamente virulentos nos seres humanos.

Um estudo recente na química de alimento do jornal desenha a atenção à necessidade para encontrar suplementos nutritivos com efeitos potenciais da inibição SARS-CoV-2 como consequência da pandemia COVID-19.

Executando o embarcadouro molecular, os pesquisadores do estudo identificaram um peptide antiviroso EEAGGATAAQIEM (E-M) como um inibidor do potencial SARS-CoV-2. Encontraram que o peptide interage com os resíduos Thr190, Thr25, Thr26, Ala191, Leu50, Met165, Gln189, Glu166, His164, His41, Cys145, Gly143, e Asn119 do Protease principal de SARS-CoV-2 (Mpro) através de 11 ligações de hidrogênio convencionais, 9 ligações do carbono-hidrogênio, e uma interacção do alkyl.

Adicionalmente, encontraram que o E-M igualmente liga ACE2 - o receptor que negocia a entrada viral - com os resíduos His34, Phe28, Thr27, Ala36, Asp355, Glu37, Gln24, Ser19, Tyr83, e Tyr41. Este estudo é indicativo que as ligações de hidrogênio e as interacções electrostáticas podem jogar papéis vitais em obstruir o receptor ACE2 que liga com SARS-CoV-2.

O protease principal (Mpro, igualmente chamado 3CLpro) no vírus SARS-CoV-2 é um alvo terapêutico necessário. Junto com papain-como proteases, joga um papel vital na tradução do RNA e reconhece locais específicos da segmentação. Inibir esta actividade de enzima ajudaria a obstruir a réplica viral. Também, porque nenhum protease humano com especificidade similar da segmentação é sabido, tais inibidores são pouco susceptíveis de ser tóxicos aos seres humanos.

ACE2 (queconverte a enzima 2) é o receptor humano do anfitrião SARS-CoV-2 à proteína do ponto (s), iniciando a entrada viral em pilhas humanas. Os pesquisadores interpretaram assim aquele que obstrui a interacção entre a proteína de S de SARS-CoV-2 e o domínio receptor-obrigatório (RBD) dos receptors celulares ACE2 pode impedir a entrada do vírus. Conseqüentemente, ACE2 é igualmente um alvo atractivo para o tratamento de SARS-CoV-2.

Como um suplemento nutritivo, esta proteína pode ser uma aproximação útil para melhorar a imunidade contra SARS-CoV-2. Muitos estudos precedentes relataram peptides como agentes terapêuticos potenciais (tais como o C-peptide anti-VIH (SJ-2176) e o enfuvirtide). Isto é principalmente devido a seus selectividade, especificidade, baixos níveis de efeitos secundários, e metabolismo predizível.

Os pesquisadores avaliaram as capacidades obrigatórias dos peptides a Mpro e a ACE2. Esperaram que os peptides com afinidade alta às duas enzimas poderiam ser esperados ter alguma inibição potencial em SARS-CoV-2.

Contudo, isolar, refinar e identificar peptides bioactive dos hydrolysates da proteína são processos altamente extensivos e demorados. Pode ser simplificada e acelerado pelo método de selecção virtual multistep e in silico pela digestão (GI) gastrintestinal.

Para quais os pesquisadores identificaram peptides atum-derivados para seu estudo, isso pode ser usado como o suplemento nutritivo e igualmente ter a inibição potencial da actividade SARS-CoV-2. O atum, índice alto do alimento dos ingredientes da nutrição, foi encontrado para inibir o receptor ACE2.

O objetivo deste estudo era identificar peptides novos para os pacientes COVID-19 da proteína do atum como o suplemento nutritivo, usando uma estratégia da combinação in silico da hidrólise e do embarcadouro molecular. Os testes foram executados para descobrir peptides inibitórios novos contra Mpro e o receptor ACE2 do anfitrião.

Os pesquisadores explicam no papel que o embarcadouro molecular envolve entrar peptides com o centro activo dos alvos em um software do estúdio (DS) da descoberta. Aqui, usaram o software R2 do DS 2017. Isto gera a energia de CDOCKER no processo. Esta energia de CDOCKER prevê a estabilidade da interacção do peptide-alvo.

Neste estudo, avaliaram o valor da CDOCKER-energia do E-M do peptide com o ACE2 como 144 kcal/mol. Isto é indicativo que o local activo de ACE entrou com ponto SARS-CoV-2 estêve ocupado fortemente pelo E-M do peptide, que poderia afectar/inibe a actividade SARS-CoV-2.

Igualmente executaram as simulações dinâmicas moleculars (DM) para determinar a afinidade obrigatória do peptide com o protease, o Mpro, e o ACE2 principais de SARS-CoV-2 na temperatura ambiente.

Deste estudo, os pesquisadores encontraram que o E-M do peptide do myosin esqueletal do atum é um candidato inibitório potencial do ` SARS-CoV-2'. Usando a simulação molecular do embarcadouro, demonstraram os ácidos aminados (Gly143 e Gln189) que jogaram papéis importantes nas interacções do E-M dos peptides e do Mpro.

Significativamente, encontraram que o E-M do peptide poderia obstruir o acessório SARS-CoV-2 às pilhas de anfitrião conectando com o receptor ACE2 do vírus através das ligações de hidrogênio e das interacções electrostáticas.

Recomendaram o uso seguro do E-M do peptide devido a seu potencial dietético da fonte como um bom suplemento nutritivo para os pacientes COVID-19. Contudo, chamam para ex vivo e in vivo as experiências que podem verificar a aplicabilidade de seus resultados deste estudo.

Journal reference:
Dr. Ramya Dwivedi

Written by

Dr. Ramya Dwivedi

Ramya has a Ph.D. in Biotechnology from the National Chemical Laboratories (CSIR-NCL), in Pune. Her work consisted of functionalizing nanoparticles with different molecules of biological interest, studying the reaction system and establishing useful applications.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Dwivedi, Ramya. (2021, April 19). Podia uma proteína atum-derivada inibir SARS-CoV-2?. News-Medical. Retrieved on June 16, 2021 from https://www.news-medical.net/news/20210419/Could-a-tuna-derived-protein-inhibit-SARS-CoV-2.aspx.

  • MLA

    Dwivedi, Ramya. "Podia uma proteína atum-derivada inibir SARS-CoV-2?". News-Medical. 16 June 2021. <https://www.news-medical.net/news/20210419/Could-a-tuna-derived-protein-inhibit-SARS-CoV-2.aspx>.

  • Chicago

    Dwivedi, Ramya. "Podia uma proteína atum-derivada inibir SARS-CoV-2?". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20210419/Could-a-tuna-derived-protein-inhibit-SARS-CoV-2.aspx. (accessed June 16, 2021).

  • Harvard

    Dwivedi, Ramya. 2021. Podia uma proteína atum-derivada inibir SARS-CoV-2?. News-Medical, viewed 16 June 2021, https://www.news-medical.net/news/20210419/Could-a-tuna-derived-protein-inhibit-SARS-CoV-2.aspx.