Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

O estudo traz à luz o papel de uma proteína celular nas infecções COVID-19

Angiotensin-convertendo a enzima 2 (ACE2), uma proteína encontrada na superfície de pilhas do pulmão, facilita a entrada do coronavirus novo em pilhas de anfitrião. Quando visar ACE2 puder ser um tratamento potencial contra COVID-19, lá é ainda alguma ambigüidade sobre como ACE2 trabalha. Com tal fim, os pesquisadores nos UAE escavaram mais profundo em ACE2 e seu papel nas infecções COVID-19, em uma revisão global.

O estudo traz à luz o papel de uma proteína celular nas infecções COVID-19
Visar a localização secundário-celular e traficar caminhos da proteína de receptor SARS-CoV-2 ACE2 podem ajudar a controlar seus níveis e a diminuir desse modo a severidade da infecção. Cortesia da foto: Shutterstock

Quando a comunidade científica fizer o progresso significativo na luta contra a pandemia do coronavirus, a raça para encontrar estratégias eficazes do tratamento é ainda em curso. Para isto, é imperativo compreender exactamente como o vírus ataca as pilhas de anfitrião humanas.

Uma maneira a que o vírus incorpora pilhas do pulmão é com a interacção com enzima deconversão 2 (ACE2), uma proteína da pilha-superfície. A este respeito, ACE2 é uma espada de gume duplo: joga um papel vital na pressão sanguínea de controlo, mas facilitando a entrada do vírus SARS-CoV-2 em pilhas de anfitrião, pode impactar as taxas da severidade e de infecção de COVID-19. Isto alertou pesquisa em curso para centrar-se sobre a escolha de objectivos de ACE2 como uma estratégia do tratamento contra COVID-19. Contudo, os vários aspectos de como ACE2 actua dentro das pilhas e de seus mecanismos reguladores permanecem inexplorados. Podia tomando um mergulho profundo nestes mecanismos ajudar-nos a descobrir alvos terapêuticos novos? Uma equipe dos pesquisadores da universidade de Emiratos Árabes Unidos decidiu encontrar, em sua revisão publicada na genómica humana.

Descrevendo sua motivação, o autor correspondente do Dr. Bassam que da revisão R. Ali explica, “para incorporar nossas pilhas, o coronavirus deve destravar o cadeado do `' na superfície da pilha: o receptor ACE2. Eis porque, todas as mudanças no receptor ACE2 alterarão provavelmente a entrada viral. Em nosso estudo, nós apontamos expandir nosso conhecimento em ACE2 compreendemos também como suas variações genéticas podem impactar a severidade da infecção através dos indivíduos diferentes.”

Os cientistas começados explicando os princípios: ACE2 é expressado extensamente através dos vários tecidos no corpo, incluindo pilhas do pulmão, e tem diversos isoforms (estruturas funcional similares) e polimorfismo do único-nucleotide (variações genéticas devido a uma mudança em somente um nucleotide da seqüência do ADN) através das populações. Estas variações genéticas podem alterar a susceptibilidade do anfitrião a SARS-CoV-2 diminuindo ou aumentando a interacção do vírus-receptor. Isto podia possivelmente explicar os efeitos variados das infecções SARS-CoV-2 em grupos de pessoas diferentes.

Mais, os cientistas explicam que o gene ACE2 está ficado situado no cromossoma de X (um dos dois cromossomas de sexo nos mamíferos), e assim determinados mecanismos “epigenéticos” podem causar susceptibilidade sexo-inclinada às infecções SARS-CoV-2.

Os pesquisadores vão sobre derramar a luz em como a proteína ACE2 se move dentro da pilha. Após a síntese, ACE2 submete-se ao dobramento e ao processamento no segundo estômago endoplasmic. É sujeitado igualmente a diversas alterações (chamadas alterações cargo-translational) esse auxílio seus transporte e função. É transportado então através das vesículas em uma estrutura chamada “o instrumento de Golgi” para uma transformação mais ulterior. Este processo, colectivamente, é altamente sistemático e regulado firmemente, com diversas moléculas que actuam como “ACE2-interacting partners.” Mais, ACE2 igualmente submete-se ao derramamento ou à segmentação proteolytic como um mecanismo de regular sua expressão. Os pesquisadores destacam aquele que ganha introspecções em como ACE2 interage com suas moléculas reguladoras pode descobrir alvos moleculars novos para a inibição de ACE2 e, para reduzir potencial a severidade da infecção.

Total, este estudo traz aos alvos novos da luz para controlar a expressão ACE2 e explica porque as respostas individuais a SARS-CoV-2 variam. Visar estes caminhos intrincados que regulam as funções ACE2 pode ajudar-nos a controlar sua expressão e a explorar assim opções novas do tratamento. Não apenas isto, a equipe está seguro que seus resultados podem ser usados para compreender outros vírus respiratórios que usam ACE2 como um ponto de entrada para infecções.

O prof. Ali fala sobre as aplicações clínicas de seu estudo, “nossos resultados explicam a variabilidade observada na susceptibilidade e na severidade das infecções SARS-CoV-2 e de seus efeitos adversos conseqüentes. Compreender os efeitos diversos das variações genéticas do receptor ACE2 pode ajudar-nos a identificar maneiras novas de abordar o vírus.”

Quando se trata das estratégias dos resultados contra COVID-19, este ter-nenhum do estudo dúvida-aberto muitas portas.

Source:
Journal reference:

Badawi, S & Ali, B.R., (2021) ACE2 Nascence, trafficking, and SARS-CoV-2 pathogenesis: the saga continues. Human Genomics. doi.org/10.1186/s40246-021-00304-9.