Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A droga do diabetes pode ajudar a prolongar a gravidez nas mulheres com pre-eclampsia prematuro

Dar o metformin da droga às mulheres diagnosticadas com pre-eclampsia prematuro pode ajudar a prolongar a gravidez (gestação), achados que um estudo publicou Pelo BMJ hoje.

Os resultados mostram que a gravidez estêve prolongada em uma semana no grupo do tratamento comparado com nenhum grupo do tratamento, mas o resultado não era estatìstica significativo e não aponta conseqüentemente à necessidade para um estudo mais adicional.

Se confirmado pela pesquisa futura, isto podia ter benefícios importantes para a matriz e o bebê.

o Pre-eclampsia é uma condição séria provavelmente causada pela placenta que não se torna correctamente. O pre-eclampsia prematuro (entre a gestação das semanas 26-32) conduz frequentemente à entrega adiantada, pondo bebês em risco da inabilidade e da morte sérias, particularmente em baixos e países de rendimento médio.

Metformin é dado geralmente aos pacientes com diabetes para ajudar níveis do açúcar no sangue do controle, mas os estudos preliminares sugerem que poderia igualmente ser um tratamento potencial para o pre-eclampsia.

Assim os pesquisadores em Austrália e em África do Sul expor para avaliar se o metformin prolongado da liberação poderia ser usado para prolongar a gestação nas mulheres diagnosticadas com pre-eclampsia prematuro.

A experimentação ocorreu em um grande hospital em Cape Town, África do Sul e envolvido 180 mulheres gravidas que submetem-se à monitoração próxima (gestão expectante) para o pre-eclampsia prematuro.

As mulheres foram recrutadas entre os fevereiro de 2018 e março de 2020 em que tinham, em média, 29 semanas grávidas. Nenhuns delas tiveram o diabetes ou usavam actualmente o metformin ou as todas as outras drogas que pudessem interagir com ele.

As mulheres eram aleatòria rachadas em dois grupos (braços): 90 receberam metformin prolongado da liberação e 90 receberam o diário do placebo, até a entrega.

O tempo médio do randomisation à entrega era 17,7 dias no braço do metformin e 10,1 dias no placebo armam-se, uma diferença média de 7,6 dias. Contudo, esta diferença não era estatìstica significativa.

Duas mais análises foram realizadas. O primeiramente (nas mulheres que continuaram a tomar o metformin em toda a dose) mostrado uma gestação de 9,6 dias mais longa média, e segunda (nas mulheres que tomou a dose completa do metformin) mostrou uma gestação de 11,5 dias mais longa média. Ambos estes resultados eram estatìstica significativos.

Não havia nenhuma diferença entre os dois braços em termos das complicações ou da morte séria do nascimento entre matrizes e bebês. E os eventos adversos não sérios foram observados, embora a diarreia fosse mais comum no braço do metformin.

Esta é uma experimentação robusta e bem-desenvolvida, mas os pesquisadores reconhecem algumas limitações. Por exemplo, este era um único estudo do centro onde as mulheres tivessem uma incidência alta do VIH, da obesidade, e da hipertensão crônica, assim que os resultados não podem ser mais extensamente aplicáveis.

Umas experimentações mais adicionais do metformin devem ser consideradas para confirmar se a droga pode estatìstica significativamente prolongar a gestação e avaliar os benefícios aos neonatos, elas dizem. Contudo, com base nos resultados deste estudo, “nós somos cautelosamente optimistas que o metformin prolongado da liberação prolonga a gestação nas mulheres com pre-eclampsia prematuro.”

Source:
Journal reference:

Cluver, C.A., et al. (2021) Use of metformin to prolong gestation in preterm pre-eclampsia: randomised, double blind, placebo controlled trial. BMJ. doi.org/10.1136/bmj.n2103.